Ensaiando

WikiLeaks: o Dossiê Pelicano no ventilador da internet


CH1oN6pWoAAhb1K

Quando surgiu essa polêmica notícia de que um site havia divulgado documentos confidenciais da diplomacia americana, na hora me veio a mente meio que a história do filme Dossiê Pelicano (baseado no livro de John Grisham, editado entre nós pela Rocco), com Julia Roberts, Denzel Washington, Sam Shepard e outros.

No filme acontecem assassinatos, sem solução, de pessoas do alto escalão da magistratura. A personagem de Julia investiga e prepara um dossiê contendo as suas opiniões e estudos sobre os autores e motivações desses crimes. Ela chega a uma surpreendente conclusão e, nas mãos erradas, as informações daquele documento significariam uma revolta na política do país.

Assim, quando Darby vê que a sua vida corre perigo e tem apenas ao seu lado Gray Grantham, um jornalista, ele passa a ajudá-la a tentar solucionar e tornar públicos os esquemas de corrupção e poder por completo.

Um bom filme de suspense com ação na medida certa e um pano de fundo que sempre retorna… as coisas escondidas. A sujeira varrida para baixo do tapete.

É possível, bem provável e dado como certo, que praticamente todas as nações tenham algo assim, documentos mais sensíveis, indesejados de serem tornados públicos.

O WikiLeaks, porém é responsável pelo vazamento de 250 mil telegramas secretos da diplomacia norte-americana,  se restringindo ao país que patrulha o mundo: o poderoso EUA.

O governo e os políticos americanos se colocam na posição de supremacia além de suas fronteiras e isso é visto em inúmeros eventos e acontecimentos (no governo Bush), como por exemplo a invasão de um país, com forças militares, atrás de material nuclear que NUNCA foi encontrado no Iraque.

Mas existe muito mais casos obscuros, como a omissão da ação americana em Ruanda (no governo Clinton) que poderia ter evitado um genocídio, entre outros… casos e governos de outros países também.

Quem se interessar em conhecer ou aprofundar especificamente sobre isso vale conferir e ler o livro de Samantha Power: “A Problem from Hell: Americain the Age of Genocide” (“Genocídio – A Retórica Americana em Questão“). Editado no Brasil pela Companhia das Letras (2004), 693 páginas.

O livro é “um estudo sobre a reação dos Estados Unidos aos genocídios ocorridos no século XX. A autora examina o massacre dos armênios pelos turcos, o Holocausto, o Khmer Vermelho no Camboja, o extermínio dos curdos no Iraque e as guerras étnicas na ex-Iugoslávia e em Ruanda. Embora o título mencione apenas os Estados Unidos, o resultado é um painel mais amplo, abrangendo os papéis desempenhados por governos, imprensa, organizações internacionais, políticos e organizações não-governamentais (ONGs) nas crises internacionais que envolvem esse tipo de crime.” (1)

(1) Ler aqui, na íntegra, a resenha de Maurício Santoro para o livro “Genocídio – A Retórica Americana em Questão”, de Samantha Power. (no site da PUC e no Scielo)

Voltando ao WikiLeaks.

Interessante ver como as posições contra e a favor vem a tona.

Assim como curioso é também o indivíduo responsável ser acusado do crime sexual de estrupro. Terá sido esse crime um evento real e concreto ou algo plantado??? Estarão todos os abusadores sexuais da Europa fichados na Interpool???

Pois nada melhor para desmoralizar uma denúncia do que desqualificar o autor da mesma. Isso até Hollywood conhece e sabe fazer com vendas nos olhos e pé nas costas, em dezenas de roteiros repetitivos de filmes.

O positivo da história é que muitos americanos mesmo tem se manifestado a favor da divulgação, dizendo que é bom para a democracia que tudo venha a tona a fim de que a sociedade possa julgar as ações do governo. Desmentindo o estigma de que “todos (americanos) pensam como um” ou que tudo na terra do Tio Sam seja reduzido à Disneylandia e a Quinta Avenida. Isso não é verdade.

Já outros americanos e pessoas por todo o mundo se referem à ilegalidade de se divulgar documentos confidenciais, pois supostamente a diplomacia é “ferida” nesse processo. Ou seja, a mentira, hipocrisia e falsidade nos relacionamentos são a tônica.

No momento Julian Assange, fundador do WikiLeaks, encontra-se preso, porém as novidades devem constinuar a ser postadas no site. Só para se ter uma idéia, até o dia 6 de dezembro de 2010 o WikiLeaks já possuia 209 endereços diferentes com os chamados sites espelho, os mirrors, cópias idênticas de suas páginas em endereços e servidores diferentes. Hoje, dois dias depois (8 de dezembro) a lista quadruplicou. Até a presente hora constam 1334 sites espelho. E os números progridem a cada refresh (veja a lista).

Mas nem só documentos sobre achismos diplomáticos são trazidos à tona, mas também assassinatos por engano, como o vídeo gravado pelo próprio exercito americano mostra… ou melhor, não mostrava, mas encobria, pois o vídeo foi catalogado como “secreto”.

O WikiLeaks liberou um vídeo militar classificado com dos EUA onde a própria filmagem que as Forças Armadas americanas costumam fazer dos ataques descreve a execução indiscriminada sobre de uns dúzia de pessoas no subúrbio iraquiano de Bagda. Incluindo dois funcionários da agência de notícias Reuters. A Reuters tem tentado, desde então, obter o vídeo alegando liberdade de ato da informação, sem sucesso desde a época do ataque. O vídeo filmado de um helicóptero Apache (já está no youtube) mostra, rajadas de metralhadora disparada em direção à pessoas que sairam de uma van para socorrer um dos jornalistas que se encontrava ferido pelo primeiro ataque. A van é literalmente fuzilada e as pessas mortas, logo após a voz no vídeo de um provável m ilitar americano diz que havaim também crianças dentro da van, que foram gravemente feridas (senão mortas). O vídeo mostra claramente a execução covarde de um empregado da agência de noticias Reuters e das pessoas que tentavam lhe socorrer. Duas crianças, que aguardavam no carro, foram feridas seriamente. Todas as pessoas baleadas estavam desarmadas e não realizam movimentos ofensivos, como mostra claramente o vídeo, na melhor política de atirar primeiro e ver o que acertamos, depois.

*atualizando: O Youtube “fechou” o video, classificando-o como restrito aqui:

http://www.youtube.com/verify_age?next_url=http%3A//www.youtube.com/watch%3Fv%3D5rXPrfnU3G0%26feature%3Dplayer_embedded

Mas o site consegue transmití-lo aqui:

http://translate.google.com/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://www.collateralmurder.com/&prev=/search%3Fq%3DWikiLeaks%26hl%3Dpt-BR%26client%3Dfirefox-a%26hs%3DmdH%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26prmd%3Divnl&rurl=translate.google.com.br

O socorro ocorre entre o nono minuto de vídeo (aprox. 9:32 ou um pouco antes para compreender melhor a cobertura, culminando com o fuzilamento covarde aprox aos 11:00) e nos minutos seguintes onde mencionam “civilian” e “kids” (aos 17:47). Quando um pouco antes um soldado corre com o corpo de uma das crianças nos braços, na tentativa de socorrê-la.

* (como são vários minutos de vídeo e o mesmo parece estar sendo derrubado constantemente, deixarei abaixo os screens do mesmo, atualizando com um link para o vídeo, assim que for possível).

“Uma pessoa era ferida e rastejando afastado, mas o grupo do helicóptero manteve-o em suas vistas, incitando o alcangar para uma arma, de modo que pudessem abrir o fogo outra vez.”

(extraído deste espelho)

*   *   *   *

Se são mentiras desse tipo que tentam ser encobertas por muitos, então…

Vida longa ao WikiLeaks !!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Meu perfil

Agendando

dezembro 2010
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Categorias

Ranking + votados

Estatísticas do Blog

  • 73,101 visitas
Atualizado 06/2015: Locations of visitors to this page

Principais postagens

%d blogueiros gostam disto: